Áudios

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Ex-prefeito fala sobre decisão da Justiça

CONTRAPONTO
Wainer Machado: Livramento não é terra de covardes!

Na imprensa foi publicada decisão judicial de indisponibilidade de meus bens, por supostas irregularidades na área da saúde quando fui prefeito. Em outras ocasiões já tive a mesma determinação da justiça. A mesma publicação da imprensa fundamentou inúmeras críticas, pré julgamentos e opiniões expressadas em total desconformidade com o que realmente estava acontecendo.
Agora, não é diferente! Sou acusado de ladrão, mau caráter... tudo o que me fez sempre refletir e repensar a opção pela vida pública que fiz. Deixei a sala de aula - onde os desafios não são menores considerada a desvalorização do professor, a limitação de nossos recursos para trabalhar, a responsabilidade que temos com nossos alunos e a necessidade de atualização que nem sempre está a mão – para trabalhar com uma política que sempre foi honesta, exigente e muito desgastante. Foram 16 anos de vida pública – 8 no legislativo e 8 no executivo.
Passados mais de 3 anos após o fim do meu ultimo mandato, no ano eleitoral, vejo maldosos comentários de pessoas supostamente politizadas e de conhecimento, induzindo a população a me ver como um criminoso. Que engano! A indisponibilidade de meus bens já foi declarada em outras vezes, em que por fim, acabei inocentado! Quem pretende ou ocupa a cadeira do Palácio Moisés Viana tem que saber que lá não é lugar para fraco!
Os desafios de governar Livramento são enormes, especialmente na área da saúde onde estamos a quilômetros de distancia de qualquer referencia para tratamentos médicos mais complexos, para centros que realizem exames de média complexidade, para tratar de recém nascidos com necessidade de uti, para gestantes de risco. Por vezes, até a saúde mais básica ficava complicada e necessitava de decisões urgentes. Foi a gravidade das lesões do craque e outras drogas que estavam surgindo, foi a falta de obstetra e ginecologista, dificuldade em procedimentos cirúrgicos e traumatológicos, entre inúmeros outros.
Nunca deixei de atender no Gabinete, na Secretaria de Saúde, na rua, nos corredores, no supermercado, quem quer que fosse e, sempre, buscamos resolver os problemas da forma mais eficiente e eficaz possível. Deixamos a desejar? Certamente! Não conseguimos atender 100% da demanda. Fizemos o possível? Sempre! Mas agora, em mais uma avaliação da minha vida pessoal, com todos esses comentários e ataques desnecessários - por vezes vindo de pessoas que não fazem nem 10% do que são pagas para fazer ou, ainda 1% do que fizemos na saúde e nas outras áreas - confirmo o que sempre tive comigo: Livramento não é terra de covardes!
Respondo a esse e a outros processos, como todos os prefeitos por dois mandatos, sempre com a convicção de que a justiça acabará por entender nossos argumentos, nossa razão de agir e a obrigação que assumimos de alcançar ao cidadão o melhor do serviço público possível. Por vezes, já tínhamos a consciência de que teríamos de enfrentar essas acusações mas, o que fazer em havendo filas aguardando exames para diagnóstico de doenças? A vida daquele cidadão merece meu zelo ou deixo que a burocracia resolva?
Hoje, a Santa Casa está encampada pelo Município. Se resolveu alguma coisa? Seguem os atrasos nos salários, os médicos já avisaram que vão parar, os leitos seguem insuficientes à demanda... Na saúde não existe mágica. Existe hoje e sempre, falta de recursos. Resumindo: todos esses anos, jamais fui condenado por qualquer coisa, tampouco por improbidade. Em vários processos já fui absolvido. Esse é só mais um! Na certeza da absolvição, farei minha defesa e apresentarei as provas necessárias.
E no fim, minha reflexão chega na mesma conclusão: Livramento não é terra de covardes. Sou Santanense de nascimento e coração! Um bom fim de semana a todos!

Um comentário:

JEFERSON munhoz disse...

Parabéns por divulgar o contra-ponto.